Temperando o Inglês

Se tem algo que demorei pra aprender e entender foram os nomes dos temperos em inglês. Metade eu aprendi agora fazendo essa lista, depois de mais de dois anos morando aqui. Como me mudei para Londres sem falar inglês, achar coisas no mercado foi um pouco mais trabalhoso.

Então fiz uma listinha básica que talvez te ajude um pouco:

PORTUGUÊS  – INGLÊS
Alecrim – Rosemary
Alho –  Garlic
Açafrão – Saffron
Canela – Cinnamon
Canela em pó  – Cinnamon (powder ou ground)
Cardamomo – Cardamon
Cebola – Onion
Cebolinha  –  Chives; Spring Onions
Coentro –  Coriander
Cominho  – Cumin
Cravo-da-índia – Cloves
Curcuma – Turmeric
Curry – Curry
Endro – Dill
Erva-doce/ Funcho – Fennel
Estragão – Tarragon
Funcho, Erva-Doce – Fennel
Gengibre – Ginger
Gergelim – Sesame seeds
Hortelã; Menta – Mint; Peppermint
Louro (folhas) – Bay Leaves
Louro (pó) – Ground Bay Leaves
Manjerona – Marjoram
Manjericão – Basil
Mostarda comum – Yellow mustard
Semente de mostarda preta – Black mustard seeds
Noz moscada – Nutmeg
Orégano – Oregano
Papoula (sementes) – Poppy seeds
Páprica – Paprika
Páprica picante – Hot paprika
Páprica defumada – Smoked paprika
Pimenta calabresa em flocos – Chilli flakes
Pimenta do reino preta – Black pepper
Pimenta do reino preta em grão – Peppercorn
Pimenta malagueta – Chilli pepper
Pimenta Tabasco – Tabasco
Salsinha – Parsley
Sálvia – Sage
Tomilho – Thyme


Sal Salt
Sal de mesa, sal refinadoTable salt
Sal rosaPink Himalayan salt
Sal marinho Sea salt
Sal grossoRock salt


Lembre-se

FolhasLeaves
Em pó pode se achar tanto – Ground ou Powder
FlocosFlakes
SementeSeeds

Caso, conheça algum diferente, ou por nome diferente, deixa nos comentários pra ajudar as outras pessoas.

Logo eu que achava que jamais conseguiria parar de comer carne

Eu era das clássicas. “Jamais conseguiria parar de comer carne”; “os animais comem animais para sobreviver também”; “se o vegetariano não come carne porque comem o bacon e o hambúrguer vegetariano com gosto parecido”?”

Eu vinha baixando minha guarda do preconceito faziam uns três meses quando comecei a meditar, então quando fiz o primeiro nível de Reiki em Dezembro de 2016 aprendi que muita gente reduz o consumo da carne ou vira vegetariano por uma questão energética. E aí, estando mais aberta para pontos de vista diferentes, as coisas começaram a fazer mais sentido pra mim.

Tudo é energia. Eu estava aprendendo e vivenciando muitas coisas que me reafirmaram isso. O Reiki é energia, reiki é amor, e se eu sou o canal por onde essa energia pura passa, meu canal precisa estar limpo para que ocorra uma conexão maior, mais forte e de um modo cada vez mais tangível.

Quem nunca esteve se sentindo super bem em um dia e entrou em contato com alguém ou um ambiente que imediatamente começou a se sentiu mal, desconfortável, triste ou ansioso sem motivo algum. Cada lugar carrega uma energia que é construída pelas pessoas que frequentam, pelas emoções e situações vividas lá, então nosso corpo absorve isso. Sabendo isso, imagine agora o ambiente de um matadouro. A sujeira e os maus tratos. Toda a energia de medo, nervosismo e estresse que o animal passa diariamente. Essa mesma energia fica impregnada na carne que depois ingerimos, começa a fazer parte a partir de então da nossa energia também, sem falar que a carne apodrece por dias dentro de nós até ser completamente digerida. A digestão é lenta, a gente se sente muito mais cansado e pesado, e nada disso agrega na nossa energia, nada disso traz a energia pura do amor pro nosso corpo.

Que choque. Eu vi o sentido, mas não agi. Pra falar bem a verdade eu nem lembro por que não tentei logo reduzir o consumo, mas meu corpo fez questão de me lembrar que algo precisava mudar: após um mês do meu curso, não conseguia mais comer carne de galinha. Estava eu com uma coxinha na mão que simplesmente não consegui terminar, e na mesma hora disse para a minha amiga que me acompanhava “eu vou parar de comer carne, eu sinto isso, só não sei quando ou como isso vai acontecer”. Tentei então aos poucos diminuir o consumo durante a semana, mas que não deu muito certo. Somente depois de dois meses eu falei pro Rafa, na época ainda namorado, que gostaria de parar de comer carne por um tempo, expliquei o motivo e ele logo topou entrar comigo nessa. 

Foi essencial essa parceria, com certeza. Meus hábitos alimentares não eram nem perto do que são hoje, eu tinha um paladar infantil, não sabia e nem gostava de cozinhar, então meus dotes culinários se limitavam a ir no mercado e comprar tudo pronto.  

No início da transição, inclusive andar pelo mercado sem pegar uma bandeja de salame era difícil. Antes, o Rafa cozinhava um couscous com salmão que era uma delícia, (sim, peixe é carne também) e agora dava saudades disso tudo já na segunda semana. Mas minha disposição tinha mudado tããão drasticamente que a vontade de comer carne não era grande o suficiente pra fazer eu perder aquele bem estar que estava sentindo. A disposição era maior, eu me sentia muito mais leve, menos preguiçosa, menos ansiosa e meditar se tornou mais fácil. Isso tudo só parando com o consumo da carne.

3de62eb8-5119-487e-9ba8-7bf5765d3fd0

Hoje estou no meu caminho rumo ao veganismo. Ao contrário do vegetarianismo que aconteceu de uma hora pra outra, o processo do veganismo está sendo muito mais gradual. E está tudo bem, com tantas mudanças que já passei entendi que cada etapa tem seu ritmo.

E não se frustre, cada um tem um caminho, nenhuma mudança é igual pra todo mundo. Eu não precisei de documentários, nem procurar depoimentos de pessoas para me tornar vegetariana, porém com o veganismo eu preciso estudar a fundo para fazer pequenas mudanças diariamente consumindo documentários, depoimentos, livros de nutrição, identificando a relação da comida com a saúde e também com a energia, e mesmo assim ainda não sou 100% vegana. Mas chegarei lá, do mesmo jeito que você, que pode estar parando uma carne por vez, ou reduzindo o consumo aos pouquinhos.

E lembre-se: quase todo mundo antes de se tornar vegetariano falava “Eu jamais conseguiria parar de comer carne”.